A Gilead Sciences, laboratório responsável pelo desenvolvimento do medicamento antiviral remdesivir anunciou nesta segunda-feira, 22, que passará a testar o fármaco em uma nova formulação inalável, na qual o uso ocorrerá por meio de um nebulizador — o que permite o uso do medicamento fora do hospital e em estágios iniciais da doença. O medicamento foi o primeiro a apresentar resultados positivos no tratamento de casos de Covid-19. Em uma carta aberta, o presidente da Gilead, Daniel O’Day, informou que após o sinal verde da FDA — órgão responsável pela liberação de medicamentos nos Estados Unidos — a empresa está pronta...

A farmacêutica indiana Cipla anunciou hoje o lançamento de uma versão genérica do remdesivir, medicamento da americana Gilead Sciences utilizado por pacientes com quadro grave de covid-19. O remdesivir recebeu uma autorização de uso emergencial do regulador americano (FDA), em maio. Também naquele mês, a Gilead Sciences estendeu uma licença voluntária não exclusiva à Cipla para fabricar e comercializar a versão genérica do remdesivir, sob o nome de Cipremi. A Cipla recebeu aprovação regulatória da autoridade da Índia para uso restrito de emergência como parte do processo de aprovação acelerada do medicamento. Como parte de um plano de gerenciamento de riscos, a Cipla...

O antiviral experimental remdesivir, primeiro tratamento promissor na luta contra o novo coronavírus, da farmacêutica americana Gilead Sciences, será atualizado e passará por uma nova bateria de testes. Em vez da versão intravenosa, dada atualmente aos pacientes, o novo remdesivir será absorvido pelo corpo humano por meio da inalação, o que pode acelerar o uso em pacientes da covid-19 que não estão internados em hospitais. Em uma carta aberta publicada nesta segunda-feira (22), o presidente da Gilead, Daniel O’Day, afirmou que a versão inalável do antiviral “permite uma administração mais fácil fora do hospital, em estados menos avançados da doença” e pode ser feita pela utilização...

A Gilead Sciences começará a avaliar a eficácia do remdesivir antiviral em pacientes pediátricos hospitalizados com casos moderados a graves de Covid-19, informou a empresa em comunicado nesta quarta-feira. FATOS PRINCIPAIS O estudo de fase 2 e 3 testará a eficácia do medicamento em aproximadamente 50 pacientes pediátricos, de recém-nascidos a adolescentes. O remdesivir surgiu como uma terapêutica potencialmente eficaz contra o Covid-19, com um estudo revisado por pares publicado em maio no New England Journal of Medicine, constatando que o medicamento reduziu o tempo médio de recuperação do coronavírus de 15 dias para 11. Gilead diz que forneceu o medicamento para pacientes pediátricos sob seu programa...

São Paulo - O remdesivir, um dos remédios que vêm sendo testados contra o novo coronavírus e que já trouxe alguns resultados promissores, foi capaz de reduzir a carga viral e evitar danos aos pulmões de macacos infectados com o Sars-CoV-2, o agente causador da covid-19. É o que mostra um estudo americano publicado ontem na revista Nature. A pesquisa avaliou os efeitos da droga em dois grupos de seis macacos resus infectados apenas 12 horas antes com o vírus - é nesse período que ocorre o pico de replicação do vírus nos pulmões dos animais. A ideia era checar se um...

Cientistas testarão uma droga experimental que pode, potencialmente, prevenir os coágulos sanguíneos fatais associados à Covid-19. O experimento, financiado pela Fundação Britânica do Coração, vai colocar à prova a teoria de que os coágulos são causados por um desequilíbrio hormonal disparado pela infecção do novo coronavírus. Este será mais um entre os diversos tratamentos em estudo ao redor do mundo contra a doença, e integra um grupo que mira um aspecto relevante da pandemia: a resposta imunológica do corpo à Covid-19, que pode resultar em uma inflamação por vezes fatal. Um terço dos pacientes hospitalizados com Covid-19 desenvolvem perigosos coágulos sanguíneos. Esses coágulos podem...

A Eli Lilly and Co disse nesta segunda-feira, 15, que está iniciando um teste com seu remédio contra artrite reumatoide baricitinib em pacientes hospitalizados com covid-19. O teste é um de vários esforços da empresa farmacêutica norte-americana para ajudar a combater a pandemia de coronavírus, que já matou mais de 400 mil pessoas em todo o mundo, de acordo com uma contagem da Reuters. O remédio está sendo testado para se saber se ele diminui as mortes por covid-19 e atenua sua severidade. Cientistas da Lilly acreditam que o baricitinib pode ajudar a suprimir uma reação imunológica potencialmente letal à covid-19 chamada "tempestade de citocina" e...

Levantamento feito nas principais bases de dados sobre ensaios clínicos do mundo mostra que 153 remédios estão sendo testados em 1 765 estudos com pacientes que contraíram Covid-19. O número revela a dimensão do esforço científico global em curso para combater o coronavírus, que conta ainda com outras frentes, como o desenvolvimento de vacinas. Pesquisas relacionadas à busca de medicamentos e vacinas contra o novo coronavírus serão o tema do seminário on-line “Vetores saudáveis: Desenvolvimento de Medicamentos e Vacinas para a Covid-19 e os Desafios em Saúde no Brasil”, realizado no dia 10 de junho pela Universidade de São Paulo (USP) e...

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou nesta segunda-feira ter recebido um pedido de autorização para comercialização condicional na União Europeia (UE) do remdesivir, um antiviral que tem sido usado no tratamento da covid-19. "Atualmente, a EMA recebeu um pedido de autorização de comercialização condicional (CMA) para remdesivir, um medicamento antiviral para o tratamento da covid-19, e iniciou oficialmente sua avaliação", afirmou em comunicado. A avaliação das vantagens e riscos do remdesivir será realizada por um curto período de tempo e poderá ser emitido um parecer "em poucas semanas", dependendo da força dos dados obtidos e da necessidade de informações adicionais...

O medicamento antiviral experimental chamado remdesivir, da farmacêutica americana Gilead Sciences, tem se mostrado um dos mais promissores no tratamento da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). Em estudos preliminares, o medicamento acelerou a recuperação de pacientes e reduziu o tempo de internação de pacientes graves. Ele age reduzindo a capacidade de replicação do vírus no organismo humano. Agora, em outro estudo, feito pela própria Gilead Sciences, a empresa reporta que os pacientes reagiram melhor ao medicamento quando o receberam cedo no quadro de infecção pelo novo coronavírus. Segundo a companhia, 62% dos pacientes que receberam o remdesivir cedo tiveram alta do...