REYVOW (Lasmiditan), novo medicamento aprovado para o tratamento de Enxaqueca Aguda em adultos


No início de 2018, a OMS (Organização Mundial de Saúde) incluiu a enxaqueca, doença neurológica, hereditária e crônica, no rol das enfermidades mais incapacitantes.

Não é para menos. Para quem sofre de enxaqueca, o impacto social, econômico e emocional é inevitável, uma vez que o paciente não presta atenção nas coisas, não trabalha ou estuda bem e tem certas áreas da memória afetadas durante uma crise.

Muitas vezes confundida com outras cefaleias, a enxaqueca é um tipo de dor de cabeça que costuma provocar dores unilaterais e latejantes, acompanhadas na maioria das vezes de náuseas, vômitos e intolerância a sons, luz e cheiros fortes.

As crises tendem a aparecer ocasionalmente, com duração de quatro até 72 horas. Em casos extremos, a frequência pode ser diária.

A enxaqueca é uma doença multifatorial. Além do fator genético, o consumo de alimentos como queijos, embutidos, chocolate, café e adoçantes com aspartame, sono prolongado ou falta de sono, excesso de exposição ao sol, alterações de hormônios, tabagismo, odores fortes e a ingestão de bebida alcoólica podem desencadear uma crise. Transtornos de humor, como ansiedade e depressão, também podem frequentemente estar associados a um episódio de enxaqueca.

​O diagnóstico é clínico, baseado no levantamento da história familiar e nas queixas do paciente. Para defini-lo, basta que a dor esteja acompanhada por 3 ou 4 dos sintomas descritos neste artigo.

A enxaqueca acomete 15% da população brasileira. Mais frequente no público feminino – só na região sudeste 30% das mulheres sofrem com as crises -, a doença é uma das principais causas de falta ao trabalho. A média é de quatro dias perdidos de trabalho por ano. Nos Estados Unidos, o custo estimado indireto por ano é de 13 bilhões de dólares. Por ser incapacitante – algumas pessoas não conseguem ficar em locais com luz ou barulho –, a enxaqueca influencia também as atividades familiares, sociais e escolares.

Recentemente a Administração de Medicamentos e Alimentos dos EUA (FDA) aprovou o REYVOW (lasmiditan), um medicamento oral para o tratamento agudo da enxaqueca, com ou sem aura, em adultos. O REYVOW possui um mecanismo de ação único e é o primeiro e único medicamento aprovado pelo FDA em uma nova classe de tratamento agudo para enxaqueca.

A aprovação do REYVOW, um agonista do receptor de serotonina (5-HT) 1F, foi baseada em dados de dois ensaios de fase 3, SAMURAI e SPARTAN. Os resultados de ambos os estudos mostraram que uma porcentagem significativamente maior de pacientes tratados com lasmiditan estavam livres de dor de enxaqueca 2 horas após a primeira dose versus aqueles que receberam placebo. Além disso, em comparação com o placebo, verificou-se que mais pacientes no grupo lasmiditano estavam livres de seus sintomas mais incômodos duas horas após a primeira dose.

No BRASIL os pacientes podem ter acesso a este medicamento através da importação por pessoa física, mediante a apresentação da prescrição médica e alguns documentos pessoais.

A Primedicin pode assessorar a importação do medicamento REYVOW, consulte-nos para mais informações.

REYVOW é um medicamento e seu uso pode oferecer riscos. Procure um médico ou um farmacêutico. Leia a bula.

Fontes:

https://investor.lilly.com/news-releases/news-release-details/lillys-reyvowtm-lasmiditan-first-and-only-medicine-new-class

https://www.hcor.com.br/hcor-explica/neurologia/enxaqueca-saiba-como-prevenir-e-amenizar-a-dor/

https://www.einstein.br/doencas-sintomas/enxaqueca

https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/enxaqueca/

https://www.neurologyadvisor.com/topics/migraine-and-headache/reyvow-approved-for-acute-migraine-treatment/

Não há comentários

Faça um comentário