Os resultados de um ensaio clínico nos Estados Unidos (EUA), divulgados nessa quarta-feira (29), mostram que os pacientes que foram medicados com Remdesivir apresentaram recuperação mais rápida da infecção pelo novo coronavírus. A Administração Federal de Alimentos e Medicamentos estuda editar uma autorização de emergência para o uso desse fármaco. O ensaio clínico, conduzido pelo Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas, estudou mais de mil pacientes gravemente infectados com o novo coronavírus em 75 hospitais em todo o mundo e concluiu que os doentes que foram tratados com Remdesivir apresentaram recuperação 31% mais rápida do que aqueles que apenas receberam...

Em 19 de janeiro, um homem de 35 anos se dirigiu a um posto de saúde do condado de Snohomish, no Estado de Washington (Costa Oeste dos EUA) relatando tosse e sensação de febre nos quatro dias anteriores. Passou 20 minutos na sala de espera, e depois foi chamado a um consultório, onde foi examinado. Contou que havia regressado de uma visita à sua família em Wuhan, na China, em 15 de janeiro. Ao ver uma alerta de segurança sobre o novo coronavírus, decidiu ir ao médico. Diante do histórico da viagem, o Departamento Estadual de Saúde foi avisado e repassou...

Menos de uma semana depois dos Estados Unidos, o Japão se tornou o segundo país a autorizar o remdesivir para tratar pacientes com covid-19, confirmou nesta quinta-feira (7) uma autoridade do ministério da Saúde. Os procedimentos de autorização para um novo medicamento geralmente são longos no Japão, mas o governo decidiu fazê-lo rapidamente desta vez, na ausência de soluções terapêuticas validadas. Na sexta-feira passada, este medicamento obteve uma autorização de emergência semelhante da agência americana de medicamentos (FDA), com base em um ensaio clínico positivo nos Estados Unidos. O medicamento do laboratório americano Gilead Sciences foi desenvolvido inicialmente para tratar pacientes com febre...

A Anvisa está em contato com a Gilead, empresa que fabrica o remdesivir no exterior, para acompanhar a evolução dos estudos do medicamento para no tratamento da covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2). O FDA (Food and Drug Administration) autorizou o uso do medicamento nos Estados Unidos nesta sexta-feira (1) para o tratamento da doença em pacientes hospitalizados em estado grave. "Baseado na totalidade das evidências científicas disponíveis, é razoável crer que o remdesivir possa ser efetivo no tratamento da Covid-19 e que, quando usado sob as condições descritas nesta autorização, os conhecidos e potenciais benefícios superam os conhecidos e...

O antiviral remdesivir reduziu o tempo de internação por Covid-19, segundo resultados preliminares de um estudo. O uso foi liberado emergencialmente nos EUA A FDA, agência que regula os remédios nos Estados Unidos, aprovou em caráter emergencial o uso do antiviral remdesivir no tratamento de casos severos de Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). O medicamento, da farmacêutica Gilead, foi desenvolvido originalmente para combater o ebola, mas sem sucesso para isso. A liberação em terras norte-americanas ocorre amparada por benefícios modestos demonstrados em um estudo com resultados preliminares. Até por isso, há a preocupação de que o remédio seja alçado...

O Remdesivir (GS-5734 ™) é um medicamento antiviral desenvolvido por Gilead Sciences desenvolvido inicialmente para tratamento do Ebola, mas experimental para para tratamento de doenças como MERS e em fase de testes para o novo coronavírus SARS-CoV-2. Remdesivir está autorizado para o tratamento de pacientes hospitalizados em estado grave da doença COVID-19. Ele está autorizado para pacientes adultos ou pediátricos internados em um hospital e para os quais o uso de um agente intravenoso seja clinicamente apropriado, pois o remdesivir deve ser administrado por via intravenosa. A duração ideal do tratamento ainda está sendo estudada em ensaios clínicos em andamento. Nos EUA, sugerem-se durações de tratamento...

Notícias do Coronavírus: O Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR) havia sugerido que, se o medicamento se mostrar eficaz e se puderem ser disponibilizadas versões econômicas do medicamento através de empresas genéricas indianas, poderá ser considerado para o tratamento de pacientes com COVID-19 na Índia Com sede nos EUA Gilead Sciences provavelmente anunciará contratos de licença voluntária com fabricantes de medicamentos indianos para permitir que eles produzam versões genéricas do Remdesivir, um medicamento experimental considerado um potencial candidato ao tratamento de novos coronavírus (COVID-19) tratamentos. Baseado em MumbaiCipla e com base em Hyderabad Laboratórios do Dr. Reddy estão entre as empresas que poderiam assinar acordos de parceria...

O Tumor Estromal Gastrointestinal, ou GIST, é um tipo raro de tumor do trato gastrointestinal, parte do sistema digestivo. Corresponde a 1% de todos os tumores do trato gastrointestinal. Podem ocorrer em qualquer idade, porém são raros antes do 40 anos e mais comuns após os 60 anos de idade. No Brasil, são três a cinco mil casos novos por ano. Conheça mais sobre a doença. O GIST é um tumor mesenquimal, isso é, que tem origem em um tecido conjuntivo. A maioria dos tumores é benigna, embora alguns, a depender do tamanho e de sua capacidade de multiplicação, possam ser...

Um recente painel de especialistas sugeriu que apenas os cuidados de suporte são suficientes para tratar a maioria das crianças com a doença causada pelo novo coronavírus (Covid-19). Todavia, o painel sugeriu o uso do remdesivir como o antiviral de escolha para ser administrado em crianças que evoluem para quadros mais graves ou críticos. Essas orientações estão no artigo Multicenter initial guidance on use of antivirals for children with COVID-19/SARS-CoV-2 de Chioto e colaboradores, aceito para publicação no Journal of Pediatric Infectious Diseases Society. Remdesivir para crianças com coronavírus O painel foi constituído por médicos e farmacêuticos especialistas em doenças infecciosas pediátricas de 18 instituições norte-americanas distintas....

Pesquisas sobre o uso da substância contra os efeitos da doença não são conclusivas, mas parecem promissoras -- até o momento Na busca internacional e sem precedentes para combater um vírus, há duas frentes. Uma é a produção de uma vacina eficiente e segura para imunizar boa parte da população mundial, o que transformaria o novo coronavírus num mal menor. A outra aposta dos cientistas e médicos é descobrir medicamentos que aplaquem os efeitos de quem já sofre o processo inflamatório acelerado provocado pela Covid-19. Embora sejam complementares, os dois esforços seguem caminhos diferentes. A pesquisa da vacina se beneficia do...